#Equador – Vulcão Quilotoa

Fala galera! Minha aventura pelo Equador continuou e após subir o Gigante ativo Cotopaxi, seguimos viagem até o povoado de Quilotoa para conhecer o vulcão que leva o mesmo nome da cidade. Pois bem, eu e a Rosa saímos da cidade de Latacunga rumo ao povoado, chegamos por volta das 17 horas da tarde, e fomos então em busca de um hostel. Caminhamos uns 500 metros e comecei a sentir o mal de altitude ou “soroche” como os andinos chamam. Na entrada do povoado encontramos um hotel super bacana e pagamos Us$20,00 por pessoa com janta e café da manhã inclusos (Hostería Alpaka). A altitude do povoado é de quase 4 mil metros acima do nível do mar, eu nunca tinha dormido em um local tão alto. Já dormi em cidades como Cusco (Peru), San Pedro de Atacama (Chile), Tilcara (Argentina) que não passavam de 3.000 metros, e infelizmente senti a altitude. Tomei um banho, e comecei a passar muito mal, com dor de estômago, ânsia e acabei vomitando. Ainda tenho minhas dúvidas se foi a altitude ou o almoço que me fez mal, mas enfim, foi uma parte desagradável da viagem, que por sorte passou rápido, pois no outro dia eu estava bem! Outro fato curioso é que nos quartos do hotel, haviam fogões a lenha devido ao frio intenso que faz à noite.

Bom, no dia seguinte acordamos, tomamos café e fizemos alguns amigos da Argentina e Estados Unidos. Deixamos nossas mochilas no hotel e seguimos até a cratera do vulcão que ficava a menos de 500 metros do nosso hotel. O dia estava lindo, sempre tenho muita sorte quando viajo, pode estar passando um furacão (Que foi o caso do México) que quando chego o tempo abre hahaha. No caminho encontramos uma lhama e uma alpaca dando bobeira, e claro que já fui fazer amizade haha.

Caminhamos mais alguns metros e fiquei encantado com o que vi. A circunferência da cratera é de aproximadamente 15 km, é imensa. E a beleza do lago que se formou nesse vulcão extinto é sem igual. No vídeo abaixo, digo que o vulcão está extinto a milhões de anos, eu menti hahah. Sua última erupção foi no ano de 1280, pouco antes do descobrimento do Brasil 😀 .

Fizemos algumas fotos e seguimos caminhando pela borda da cratera para tentar chegar até outro mirador.

Caminhar na altitude é um desafio, cansa muito, tivemos que fazer muitas paradas pelo cansaço.  O pior é que quase não haviam sombras em volta da cratera, somente perto do mirador de vidro havia uma pequena floresta de pinus onde nos abrigamos e paramos um pouco para reidratar e descansar.

Chegamos no mirador, e ali ficamos por uns 20 minutos apenas contemplando essa obra de arte da natureza.

DSC_4412
Mirador Quilotoa

A pior parte foi o caminho de volta, para chegarmos ao mirador foi fácil pois a maior parte era descida, o retorno nos exigiu muito esforço, mas a vista compensava.

Enfim, depois de aproximadamente 2 horas e meia chegamos ao povoado novamente e fomos almoçar. A maioria das pessoas que vai à Quilotoa, faz a volta completa na cratera, caminham os 15 quilômetros, nós infelizmente não tínhamos tempo pois tínhamos que voltar à cidade para tomar o ônibus e voltar a Latacunga, e dali tomar outro ônibus para chegar a cidade de Baños, e foi o que fizemos… Mas essa história fica para o próximo post…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s