Arquivo da tag: Roteiro de Carro Argentina e Chile

O “Perrengue” no deserto

Sair do seu país, rodar quase 6000 km em uma viagem de carro, pegar climas extremos com temperaturas de -15º à 40º, alcançar altitudes de 5000 metros acima do nível do mar, claro que sabíamos que seria uma viagem com pequenos riscos afinal estrada é estrada. E um desses riscos se tornou realidade! Nem na pior projeção possível, imaginávamos em ter um “perrengue” tão grande em pleno deserto do Atacama! Confira:

Relato de Izac Chapiewski:

Em nosso penúltimo dia em San Pedro de Atacama sentamos todos em nosso quarto de hotel para decidir como seria a sequência da viagem, pois para o retorno não ser cansativo, faríamos algumas alterações no cronograma e conheceríamos mais algumas cidades na Província de Salta e San Miguel de Tucumán na Argentina. Decidimos todos então em deixar o carro em frente ao hotel com a bagagem carregada, para sair de madrugada rumo a “Paso de Jama” fronteira com a Argentina.

Decidindo isso, a moça do hotel nos alertou a não deixar nenhuma mala aparecendo, por que apesar de San Pedro ser uma cidade bastante calma e segura, era melhor não arriscar.

Nossa saída do Chile foi antecipada em um dia devido a termos cancelado os passeios com a agência e termos feito tudo por conta. Fazendo isso além de economizarmos dinheiro, ganhamos muito tempo o que nos permitiu deixar o país antes.

Bom, fomos dormir cedo e no dia seguinte com o carro já pronto saímos as 4 da madrugada rumo à fronteira. A programação era chegar as 7 e agilizar o processo de imigração, para passarmos a noite já em Salta na Argentina. Rodamos 40 km e veio o susto! Um pneu furou. Com a agradável temperatura de -4º ao lado do Vulcão Licacanbur, lá foi o Douglas trocar o pneu. Detalhe todos estávamos de calção, camiseta e chinelo por que até chegarmos na fronteira, já seria dia e estaria mais quentinho.

Com o pneu trocado, o Douglas me olhou e perguntou: – “E aí meu brother, voltamos a San Pedro ou Arriscamos seguir sem estepe até a fronteira?”. Com a pressa que estávamos de chegar à fronteira, eu disse: – “Vamos arriscar, furar mais um pneu aqui seria muito azar”. E foi rsrs.

Rodamos mais exatos 30 km e “Barbaridade” mais um pneu furado! 5 horas da manhã, temperatura ainda negativa e nós no meio do nada, cercados de areia e sal. Claro que bateu um desespero, e agora? Meu Deus, o que vamos fazer? Pensamos que haviam furado nossos pneus para nos assaltar, todos ficamos muito nervosos. Então a Nicolly lembrou que havíamos ultrapassado um caminhão próximo dali, falei pro Douglas, vamos parar esse cara e pedir para me levar até a fronteira e arrumar os pneus. Decidimos que eu iria até a fronteira, por que falo espanhol, e teria mais facilidade em explicar a situação para as autoridades e conseguir ajuda.

Após 10 minutos o caminhão apareceu e eu já fui para o meio da estrada e comecei acenar desesperadamente. Por sorte o caminhão parou, e fui explicar a situação para ele. O caminhão era do Paraguai e estava carregado com carros. Resumindo o paraguaio, talvez por desconfiança não me deixou ir na gabine com ele, e fui em um dos carros atrás com os dois pneus furados! Com sono, com fome e com frio confesso que me bateu um desespero e comecei a pensar bobagem. Vai que esses “caras” pegam meu dinheiro e me deixam aqui? Vai que assaltam meus amigos lá no carro? Orei, pedi proteção divina e fui aproveitando a paisagem.

No vídeo abaixo, cito que os pneus foram furados propositalmente por algum chileno. Informação errada, na hora pensamos que podiam ter furado para tentar nos assaltar, mas graças a Deus não foi isso!

O segundo pneu estourou a 70 km da fronteira, somente 70 km. Quando é pra acontecer, simplesmente acontece e não tem jeito. Nosso carro estava segurado nos países do Mercosul, e o Chile apesar de associado não faz parte. Se fizesse chamaríamos um guincho e pronto! Por isso é muito importante, em uma viagem dessas adquirir a extensão de perímetro com sua seguradora. Nós optamos por não adquirir devido ao preço, e nos demos mal.

Chegando a fronteira, o paraguaio talvez por pensar que os fiscais aduaneiros pudessem pensar que ele estava me transportando clandestinamente, me largou a quase um quilômetro da primeira guarita. Lá vou eu com um pneu em cada mão, caminhando até a guarita. Lembra que em altitudes fazer esforço físico é pedir para passar mal? Sem erro, passei mal. Cheguei à guarita talvez por não ter comido nada também, quase desmaiando, expliquei para o guarda e ele me encaminhou para a “Germandería Argentina” (Exercito Argentino), em frente a sala deles, havia uma enfermaria, pedi um copo d’água ao enfermeiro, e de brinde ganhei uma máscara de oxigênio haha, isso mesmo, o moço viu que eu não estava bem e pediu para que eu respirasse com a máscara por alguns minutos. Contei toda história para eles e eles me acalmaram dizendo que tudo ia dar certo. Esperei por alguns minutos sentado, quando um guarda veio até mim para irmos em busca de uma borracharia.

Rodamos todo o povoado, e não encontramos nada! Bateu o desespero novamente, o guarda me deu duas opções, ou você vai até Susques ou volta até San Pedro de Atacama, ambas as cidades estão à 70 km daqui. Perguntei qual seria a melhor opção, e ele falou, volte a San Pedro. Vamos até a guarita que vou arrumar uma carona para você voltar.

Pensei comigo, Meu Deus, não acredito que isso realmente está acontecendo conosco!!! Após uns 20 minutos esperando, chegou uma das pessoas mais incríveis que conheci nessa viagem, o peruano Alberto Allarcón, caminhoneiro que me deu carona para voltar até San Pedro.

Conversamos muito, mas muito mesmo. Uma pessoa sensacional, alegre, da paz, um anjo que Deus colocou em nosso caminho. Me deu água e comida e de brinde me ensinou alguns “chingamentos” que eu não conhecia em espanhol rsrs. Após muita conversa, avistamos o carro e já o Douglas saiu acenando e sorrindo pensando que tudo estava resolvido. “Pobrecito” disse Alberto hahah.

No carro estavam o Douglas e a Nicolly. A Priscilla já havia pego uma carona com um dos inúmeros carros que pararam e ofereceram ajuda. Expliquei para o Douglas que eu tinha que ir até San Pedro e seguimos viagem.

Eu estava exausto, muito cansado mesmo. O Alberto ao ver isso, me ofereceu a cama dele para eu descansar um pouco. Claro que não recusei e literalmente apaguei. De repente escuto buzinas e o Alberto fala: “Hay un carro brasileño adelante, preguntó por usted” Levantei e fui ver o que era. Era o amigo Martín e sua esposa, que haviam parado para ajudar o Douglas e voltaram para me dar carona até San Pedro para ser mais rápido. Já que o caminhão andava a no máximo 40 km p/hora iriamos ganhar muito tempo de carro, visto que ainda faltavam 45 km para chegar à cidade. Agradeci o Alberto e na correria infelizmente esqueci-me de pegar um contato L.

Chegamos a San Pedro eram exatamente 14 horas, e agora nossa missão era encontrar uma borracharia aberta em pleno domingo. Encontramos uma logo na entrada da cidade e adivinha? Fechada! Sai do carro bati na porta, saiu uma senhora e expliquei toda a situação para ela, e ela após ver minha angustia ligou para o moço vir consertar o pneu. Aliviei-me na hora. O rapaz chegou viu o pneu e para me animar falou: “Eso no tiene mas consierto, solo una goma nueva”. Como diria ligeirinho “AI CARAAMBA” rsrs. Por sorte ele tinha uns pneus usados do mesmo aro, falei são esses mesmo pode trocar. Apesar de ter saído um pouco caro, não tínhamos outra opção, enquanto ele fazia a troca, eu fui fazer o câmbio, pois não tinha mais pesos chilenos.

Talvez pelo nervosismo, não tirei nenhuma foto da “Gomería” no dia. Por sorte, encontrei ela pelo Google Maps: 

imagem
Borracharia em San Pedro de Atacama

Paguei o rapaz, e quando estávamos saindo mais um gesto de uma pessoa incrível me emocionou. Uma moça chamada Alejandra Mancilla, filha da senhora que me atendeu na borracharia, me entregou uma sacola com sanduiches, água e refrigerante, sem eu pedir. Agradeci a ela pela atitude, pedi para mantermos contato via facebook e seguimos viagem até o carro.

Quando chegamos no carro, estava somente o Douglas esperando. A Nicolly já havia ido até a fronteira de carona com uma família de chilenos. Trocamos o pneu, arrumamos as malas e dirigimos os próximos 70 km com um medo enorme que mais alguma coisa acontecesse! Demos graças a Deus quando avistamos a placa da fronteira. Tivemos que ficar na fila da imigração por mais 3 longas horas, pois estavam revistando todas as malas de todos os carros. Mas enfim, estávamos em solo argentino e se alguma coisa acontecesse o carro estava segurado. Eu e o Douglas queríamos avisar as meninas que estávamos bem, mas o guarda gente boa que estava de manhã na guarita, não estava mais e o substituto não autorizou que passássemos a fronteira sem fazer os trâmites. Na fila dos trâmites fiz várias amizades com argentinos e brasileiros enquanto esperávamos, e com um grupo de motoqueiros peruanos que saíram de Cusco com destino a Salta na Argentina. Motoqueiros esses que nos acompanharam durante o retorno.

“Enfim, depois desse “sufoco” encontramos as meninas no posto após a aduana, e cada um contou sua versão do ‘perrengue” já que todos nos separamos. Todos calmos por estarmos bem seguimos até a cidade de San Salvador de Jujuy. NUNCA viajamos à noite por medida de segurança, mas pelas circunstâncias e pelo atraso na fronteira chegamos ao hotel quase meia noite.

No outro dia, fomos a uma borracharia para revisar todos os pneus e ainda trocamos mais um. Explicamos ao rapaz o ocorrido, e a explicação mais plausível para o ocorrido, foi que os pneus não aguentaram a pressão atmosférica e estouraram. Devido à alta pressão até mesmo as embalagens de comida que levamos estouraram.

Olhe o que a pressão faz com as embalagens, nada impede de estourar os pneus também:

Relato de Nicolly Cury

Pois bem aventureiros, vamos para minha parte da história. Após o Izac ter pego carona com o caminhão paraguaio, nos restou apenas esperar. Estando a – 4°C em uma mistura de medo e ansiedade, por não poder fazer nada, Douglas, Priscila e eu voltamos ao carro onde tentamos dormir. Passado apenas uma “horinha” de sono, todos despertamos. O carro estava aquecido devido ao Douglas não ter desligado o motor. Em fim eram 10h30min e nem sinal de carros ou até mesmo do Izac e já estávamos preocupados.

            O Sol surgiu, porém a temperatura continuava baixa, então fomos esticar as pernas, e nos aquecer. Era uma sensação inusitada ambos parados no deserto a espera de ajuda. Um pequeno conselho caro leitor, se algum dia se deparar com uma situação parecida, não se apavore! Apesar de estarmos no meio do nada tínhamos tudo! Não digo só em coisas como água e alimento, claro que é indispensável, mas estar em ótima companhia diminui muito a tensão da situação.

            Eram 10h40min e nenhum carro a vista. Quando der repente o primeiro carro aparece, porém não para. Em seguida um argentino para e nos oferece ajuda. Deus foi tão bom que nos enviou muitos outros que paravam, nos ofereciam água, comida, e nos acalmavam. Por ser tarde nos preocupamos com o Izac, será que ele conseguiu encontrar uma borracharia? A Priscila então por nervosismo começa a ter falta de ar, e em lugares como o deserto a única coisa que não se pode fazer é entrar em desespero.  Decidimos então eu e a Pri que iriamos de carona no próximo carro. Nos primeiros não havia espaço até que encontramos um carro brasileiro \o/. Como eles não tinham lugar para nós duas deixei que ela fosse, pois estava passando mal.

            Ficamos apenas eu e o Douglas por mais uns 20 minutos conversando, quando avistamos um caminhão buzinando que parou na contramão na nossa frente. Do caminhão pula o Izac, pensamos: Estamos salvos, vamos embora! Só pensamento mesmo. Como relata Izac acima, ele volta a San Pedro e eu vou rumo a fronteira. Paramos uma caminhonete chilena e lá fui eu. O pessoal não era muito de conversa o homem que dirigia escutava umas musicas animadas porém estranhas. A sua esposa dormia assim como sua filha que repousou sobre mim sua cabeça e dormiu. Ao chegarmos à fronteira consegui ver a Pri, corri para ver como ela estava e voltei para dar saída do Chile.

DSC00874
Aduana Argentina-Chile

Achando que ela ficaria pedi ao moço que não desse saída e ficaríamos ali na aduana, pior erro! Feito isso ele me tirou e fiquei como um fantasma, o carro em que estava já não tinha mais meu nome então fiquei presa. A Pri tendo passado já estando do lado argentino sem poder me fazer companhia, me vi sozinha então me apavorei, conversamos com o guarda da aduana argentina o qual foi muito querido comigo, me levou até lado chileno para que eu pudesse embarcar em um carro e atravessar novamente.

            Esperei por alguns minutos e parou um carro de família, a qual guardarei eternamente a lembrança deles. Maí e seu esposo Jorge junto de seu filho José foram muito prestativos me ofereceram alimentos e água, e contei então como havia sido minha pequena aventura. Conversamos muito, apesar de não ser muito boa em falar espanhol, e adivinha para onde estavam indo? Isso mesmo para o Brasil.

Após horas e horas na fila de revista, pude avistar o Izac e Douglas bem no final da fila. Fiquei mais tranquila. Chegando ao lado argentino o guarda olha para mim, com um sorriso engraçado, mas me aliviando do sufoco. Encontro minha mana Pri chorando, logo nos acalmamos e fomos almoçar  as 17h da tarde. Ali ficamos até que finalmente nos encontramos!

Foi uma aventura e tanto e apesar do susto ficamos felizes em conhecer tantas pessoas maravilhosas pelo caminho. Queremos agradecer a todos os que pararam oferecendo ajuda e deixando comida e água para os que ficaram no carro. Em especial queremos citar os amigos brasileiros: Silvio, Leandra, Martín e esposa, os chilenos Mai, José e Jorge, a boliviana Alejandra e ao grande amigo peruano Alberto que não mediram esforços para nos ajudar. Agradecer a todo o pessoal da aduana argentina e a todos os outros amigos que fizemos graças a esse “perrengue”.

Apesar de toda situação de angustia vivida no início, pudemos obter um grande aprendizado para viagens futuras e pudemos ver que ainda há pessoas boas nesse mundo. Que venha a próxima aventura, e se Deus quiser sem mais “perrengues”.

By: Izac Chapiewski/Nicolly Cury

Curta Nossa Page: Iniciativa Aventureiros

Anúncios

La Expedición 02/01/2016 Dia de Geysers e Termas

Depois de se encantar com as paisagens pelo caminho de Paso de Jama à San Pedro de Atacama e conhecer o Valle de la Luna e Valle de la Muerte. Era hora de conhecer um dos principais atrativos turísticos de San Pedro de Atacama. Os geysers del Tatio.

Acordamos cedinho, por volta das 4h30min, e fomos seguindo as diversas vans e carros que vão ao amanhecer aos Geysers. Conforme íamos subindo, a temperatura ia despencando. O termômetro do carro chegou a marcar – 7 º isso porque fomos no verão, e fora do carro por conta do vento a sensação térmica beirava os  – 15 º.

Chegamos ao destino eram quase 7 horas e a mais de 4500 metros de altitude ventava muito, mais iríamos ser recompensados pelo espetáculo da natureza.

Pagamos um total de 5000,00 pesos chilenos (R$27,00) por pessoa para entrar no parque nacional, onde estão localizados os geyseres.

Apesar do frio ser extremo, a vontade é de não sair de lá. Quando vimos um dos geyseres espirrar água fervendo a mais de 5 metros do chão, ficamos encantados:

A região tem inúmeros rios subterrâneos, que são aquecidos devido ao trabalho dos vulcões, o que faz com que a água aquecida suba e exploda saindo pelos buracos do local.

Anexo ao geyseres, existe uma piscina natural com águas que variam de 30 º a 40 º graus. A missão de experimentar a água deixei para os corajosos Doda, Pri e Nick, eu não fui. Com temperatura ambiente de – 7 º ia ser uma delícia sair com o corpo molhado da piscina :p .

Infelizmente, não pude registrar o momento que o Douglas saiu da piscina, mas nunca vi ele correr tanto hahaha :p .

Depois secos e vestidos, seguimos de volta rumo a San Pedro, fazendo várias paradas para fotos. Como de praxe, uma paisagem mais linda que a outra.

Em uma das diversas lagoas a beira da estrada, pudemos observar vários flamingos andinos:

Rodamos mais alguns km, e paramos em Machuca, um pequeno povoado com casas de barro e palha, que encanta pela simplicidade. Aproveitamos e tomamos café por ali mesmo.

Se vai fazer o passeio dos geysers, aproveite e encaixe o das termas Puritama, que ficam quase no mesmo caminho. Eram 11 horas da manhã, e resolvemos aproveitar o tempo livre para fazer esse passeio. A entrada das termas é um pouco cara, mas vale muito a pena. Pagamos um total de 15.000 pesos chilenos por pessoa algo como R$ 88,00.

Muitas pessoas que fazem o passeio de Guatín terminam sendo recompensadas com a chegada nas termas. Mas isso necessita de um preparo físico enorme, pois a caminha é longa pelos “canyons” que dão acesso as terma, e como anteriormente dito, qualquer atividade que exija esforço em grandes altitudes pode acabar com você, então tome cuidado.

Chegamos nas termas, e que águas deliciosas. Quentinhas e como a maioria das águas no Atacama, salgadas.

 Ficamos aproximadamente 3 horas relaxando e aproveitando as termas, e agora viria a pior parte. Subir a montanha!! Chegamos exaustos no carro, parecia que tínhamos caminhado quilômetros. Mas enfim, tudo tem um preço, e o preço de relaxar nas termas, era o sacrifício de ter que subir depois 😦 .

Retornamos a San Pedro de Atacama, compramos pães e bolo gelado e fomos tomar o café da tarde.

Em San Pedro, tudo é caro, comida e água principalmente. Se você tem espírito aventureiro assim como nós, não terá problemas. Mas se não abre mão do luxo, prepare o bolso para gastar muito em comida por lá.

Cuide-se com os guardas também, lá tudo é motivo para multa, seja ultrapassar zonas demarcadas para tirar fotos ou não parar numa placa de pare, mesmo que não esteja vindo ninguém na rua que encontra a sua.

Após tomarmos café, eu e o Douglas fomos abastecer o carro no único posto de gasolina da cidade.

DSC01382
Posto Copec

Até que pra um posto no meio do deserto, a gasolina não estava tão cara, pagamos cerca de R$ 4,05 por litro. Carro abastecido, o Douglas retornou ao hotel, e eu e a Nick, fomos passear pela cidade e comprar umas lembrancinhas.

DSC01383
As ruas de San Pedro são todas assim

No outro dia, teríamos um dia longo…

La Expedición 01/01/2016 Entrando no Chile

Depois de passarmos a virada de ano em Tilcara na região andina da Argentina, era hora de seguir viagem até o destino final de nossa viagem. A cidade de San Pedro de Atacama no Chile!

DSC01375
San Pedro de Atacama

Acordamos cedo, tomamos café e pé na estrada. No dia anterior havíamos adiantado os passeios da Cuesta del Lipán e Salinas Grandes, o que nos fez ganhar tempo e chegar mais cedo à Paso de Jama (fronteira entre Argentina e Chile). Pelo caminho as paisagens só iam aumentando e ficávamos deslumbrados com a beleza da natureza daquele lugar. O último povoado antes da fronteira é Susques, é muito pequeno, mas conta com alguns hotéis e restaurantes à beira da rodovia. Nossa dica é que abasteça o veículo em San Salvador de Jujuy ou Tilcara, pois o posto mais próximo é em Paso de Jama e ainda arrisca a não ter combustível. Depois de Paso de Jama somente em San Pedro há civilização.

Chegamos aproximadamente as 10 horas da manhã na fronteira, e fomos fazer a papelada de migração. Demos saída da Argentina, entrada no Chile. Tudo certo. Para a entrada no Chile existem 5 trâmites diferentes: Entrada de pessoa, entrada do carro, registro do condutor do carro, declaração de bagagem e por fim a revista do veículo.

DSC00874
Controle Migratório Argentina-Chile

Na hora de fazer a declaração, a moça da aduana nos deu uma folha para preencher e falou: Marquem tudo como não! Nós inocentes, sem ler marcamos como ela havia nos orientado. Grande erro! Na folha havia um campo, explicando que se houvessem frutas, ou produtos derivados de animais no carro, os mesmos deveriam ser declarados. Na hora da revista, a mesma fiscal foi revistar o carro e encontrou uma maçã, e por essa maçã começou o escândalo! Ela perguntou “Ques es eso?” Eu respondi: “una manzana”, Ela: “Porque no hicieran la declaración, como yo habia pedido?” Eu falei: Usted no dijó nada acerca de eso. A fiscal começou a gritar como se fossemos cachorros, dizendo: “En mi pais hay reglas, en Brasil pueden hacer o que quieran, pero aca en Chile Nooo, En chile eso en grave, una manzana no es una broma, y voy cobrar 200 dolares de multa”. Eu ainda pedi por favor, vamos encontrar uma solução. Ela: “Não!!” Confesso que fiquei nervoso e comecei a tremer, ainda o Douglas falou, deixe-me falar com ela, e eu disse: Não adianta, vamos ter que pagar a tal multa. A fiscal, provavelmente estava esperando que falássemos algo, como não dissemos nada, ela nos olhou e disse: “Pueden seguir” e eu: Mas e a multa? Ela: “No voy hacer”. Me senti aliviado e disse para o Douglas, vamos sair daqui rápido, antes que ela mude de ideia. No dia seguinte, encontramos um casal de brasileiros no “Pueblo Machuca” e comentamos a situação com eles, e eles nos contaram que infelizmente também haviam sido mal tratados na migração em Santiago.

20160101_121046
Paradise

A primeira impressão que tive do Chile, foi a pior possível. Claro que regras são regras e devem ser respeitadas em qualquer lugar do mundo. Entramos naquele país, teríamos que seguir as regras daquele país! Mas nosso erro, foi confiar na fiscal, não ler o documento, e assim não declarar a tal maçã que estava no carro. Ela deveria nos ter orientado, mas enfim, um país tão lindo, nos proporcionou um momento tão desagradável por ter uma pessoa despreparada no controle de fronteira.

Fica a dica: Não leve frutas, derivados de leite, frios em geral e objetos pontiagudos para o Chile, e caso seja muito necessário, faça a declaração dos mesmos, pergunte ao fiscal. Não espere explicações, para não passar pelo que passamos.

Nós ainda nervosos, pelo ocorrido, respiramos fundo e viagem que segue. Há aproximadamente quatro km da aduana, está a fronteira, e agora sim, estávamos oficialmente em “Tierras Chilenas”. Já na fronteira, encontramos um casal chileno que estavam indo para região de Tilcara, onde nós estávamos anteriormente, Cristina e Nan nos emprestaram a bandeira do Chile, fizemos algumas fotos, inclusive com eles, o que amenizou a situação anterior e então tocamos viagem.

A cada km rodado, uma surpresa! Uma paisagem mais linda que a outra, lagoas com águas quentes e salgadas em meio ao deserto! Montanhas e mais montanhas de areia, vulcões com picos ainda com um pouco de neve, desertos de sal. Um paraíso aos olhos de quem vê.

Fomos fazendo várias paradas no caminho, porque queríamos registrar cada m² daquele lugar. Quando nos aproximamos do ponto mais alto da viagem, nos pés do Vulcão Licancabur a 40 km de San Pedro, a Pri passou mal, devido à altitude e tivemos que parar o carro, para que ela se recupera-se. Alguns minutos depois, a Pri já recuperada, pudemos ver a baixada que nos levaria a San Pedro do Atacama, um salar enorme em meio a várias montanhas.

Enfim chegamos! Eram 15 horas, e fomos ao Hostal Sumaj Jallpa, no qual tínhamos reserva. O hotel é muito aconchegante, e a estrutura é de boa qualidade. Ficamos hospedados por duas noites.

DSC01387
Hostal Sumaj Jallpa

Depois de fazer o check-in, fomos em busca das casas de câmbio da cidade. Trocamos os valores necessários para os passeios e alimentação e voltamos ao hotel. No hotel decidimos fazer o passeio do Valle de la Luna e Valle de la Muerte já naquele dia, para ganharmos tempo, e então fomos.

Nossa dica é: Para que vai de carro a San Pedro de Atacama, não contrate agências, além de ter que pagar preços exorbitantes pelos serviços, não terá a liberdade de fazer os passeios a hora que quer e parar em qualquer lugar, ou seja, você economiza dinheiro e ainda tem liberdade! Todos os passeios e lugares são bem sinalizados e você poderá muito bem se virar sozinho por lá. Mesmo as estradas de rípio, estão em boas condições, fomos com carro baixo e não tivemos problemas! Outra dica, além do GPS adquira também um mapa de San Pedro e das redondezas, nós utilizamos e nos ajudou muito.

Chegamos ao Valle de la Luna as 17 horas, compramos as entradas na bilheteria pagamos $ 3000,00 pesos chilenos por pessoa o que dá aproximadamente R$ 17,00, e fomos conhecer um dos principais passeios de San Pedro. Sério, não tem como explicar aquele lugar. Você realmente se sente em outro planeta, as formas arenosas cobertas por sal e areia, deixam o ambiente sombrio e ao mesmo tempo encantador, o lugar é único.

DSC01012
Entrada Valle de la Luna

O maior desafio desse passeio, é enfrentar o calor. O termômetro marcava 23 º, tá mas peraí? 23 º é calor? Sim!!! E muito calor, devido aos céus de San Pedro quase nunca terem nuvens o sol bate sempre em cheio, e o ar seco aumentar muito a sensação térmica do lugar. A primeira parada é na entrada de “cuevas”, são cavernas que cortam o Valle de la luna, claro que fomos, apesar do passeio ser meio claustrofóbico, pelo menos havia sombra 🙂 .

Após alguns minutos angustiantes, saímos das cavernas e fomos em direção ao Anfiteatro do Valle de la Luna.

Conhecemos também as três Marías:

E enfim, voltamos a duna maior para ter uma das vistas mais lindas que já tive em minha vida. A subida requer um pouco de esforço, mas é recompensada:

Após terminarmos o passeio, seguimos até o Valle de la Muerte, e mais paisagens surreais podem ser contempladas de lá. A entrada no Valle de la Muerte também é 3000,00 pesos chilenos, mas se tiver feito o passeio do valle de la luna no mesmo dia (o que foi o nosso caso), não precisa pagar duas vezes, somente apresentar o comprovante que realizou o outro passeio anteriormente.

A dica desses passeios, é que passe muito protetor solar, de preferência use chapéu ou boné e óculos, devido ao forte vento, seus olhos podem encher facilmente de areia.

Após esse passeio ainda é possível realizar o do Pukará de Quitor, que fica a apenas 3 km da cidade, e o custo é $3000,00 pesos chilenos (R$ 17,00):

055_5D028-74
Pukara de Quitor

Retornamos cedo para o hotel, porque na manhã seguinte, acordaríamos as 4h30m da manhã para irmos rumo aos Geysers el Tatio.

La Expedición 31/12/2015 Explorando os Arredores de Tilcara

O dia 31/12/2015 foi o dia de explorar os arredores da cidade de Tilcara. Esse pequeno povoado, tem um grande leque de opções para o turista, e é excelente para ser usado como cidade base.

Já pela manhã acordamos e nos encantamos com a vista do nosso quarto:

Tomamos nosso “Desayuno” (café da manhã) e fomos rumo ao Pucará de Tilcara, uma das principais atrações da cidade. Chegamos lá, e infelizmente estava fechado, creio que por ser dia 31/12, confesso que quase chorei, mas fazer o quê? Ainda conseguimos fazer ótimas fotos pelo caminho.

Pudemos ver a pirâmide central do Pucará de longe, mas ficou por isso mesmo. No retorno, passamos pela Caravana de Llamas, um dos meus sonhos era tirar algumas selfies com esses animais lindos, (Sim, sou apaixonado por lhamas *-*). Fizemos a reserva do passeio, e a próxima saída era somente as 16 horas, olhei no relógio e ainda eram 10 horas, pensei comigo vou falar com o Douglas para irmos até as Salinas hoje, assim ganhamos tempo. Claro, que ele topou…

Saímos então rumo a cidade de Purmamarca e as paisagens só aumentaram:

Quando começamos a subir a Cuesta del Lipán, e vi que estávamos subindo a cordilheira dos Andes, a emoção tomou conta.

Chegando ao topo da Cuesta del Lipán à mais de  4100 metros acima do nível do mar, haviam várias pessoas vendendo artesanatos e balas de coca, não me aguentei e comprei algumas, e comprei um quadro esculpido em pedra de sal.

Rodamos mais alguns km e chegamos as Salinas Grandes. Sério, que lugar incrível. Claro que aproveitamos para fazer algumas fotos:

No retorno para Tilcara, fizemos uma parada em um hotel, para ver preços etc… e uma lhama em especial nos chamou atenção por estar tentando se comunicar, meio que pedindo carinho., o que me deixou com mais ansioso que chega-se as 16 horas para fazer o passeios com as lhamas.

20151231_135533

Enfim chegamos em Tilcara, e fomos até a Caravana de Llamas para fazer o passeio. Pagamos 250 pesos (R$ 60,00) com café incluso para fazer o percurso que os povos andinos faziam no passado. Que experiência maravilhosa!!

Nesse passeio fomos somente eu e a Nicolly, escolhemos respectivamente as lhamas Yura e Churro, que tem nomes quechua (língua nativa andina) seus significados são Branca e Bondoso.

Passamos por vários lugares lindos, Montanhas, rios secos e enfim chegamos até a fazenda do Santos (proprietário da caravana de Llamas), onde sentamos numa sombra e tomamos um delicioso café e conversamos muito. Aprendi muito sobre a cultura local, falamos sobre futebol, política, sobre tudo. Nas fotos abaixo, Santos preparando nosso banquete, e ao lado nossos amigos: Santino, Sofia, Santos e Laura todos pessoas super simpáticas e agradáveis.

Se vai pra Tilcara, não deixe de fazer esse passeio, é uma experiência mágica. Nós conseguimos comprar o passeio lá mesmo, mas se quiser garantir faça a reserva pelo e-mail contacto@caravanadellamas.com.ar ou pela Page oficial no Facebook.

Chegou a noite, e fomos ao restaurante Los Puestos anexo ao hotel onde tínhamos reserva para a ceia de ano novo. Meu primeiro ano novo fora do Brasil, e já comecei em grande estilo, no pé dos Andes.

Enfim passamos a virada em Tilcara na Argentina, e no primeiro dia de 2016 já fomos em direção ao Chile onde a aventura só iria aumentar.

By: Izac Chapiewski

Curta nossa Page: Iniciativa Aventureiros

La Expedición 29/12/2015 Entrando na Argentina

Ainda no dia 28/12 após realizar os passeios das Cataratas do Iguaçu e do Parque das Aves, fomos até Puerto Iguazu em busca de câmbio para dar sequencia na viagem agora em solo Argentino. Infelizmente perdemos quase 3 horas entre entradas e saídas e a busca do melhor câmbio. O câmbio lá na Argentina estava 0,35 centavos, ou 1 real para cada 3 pesos. Desistimos de trocar lá e voltamos ao Brasil. Chegamos em uma lanchonete próxima a fronteira e fizemos o câmbio ali mesmo. Estava 0,25 centavos, ou seja a cada 4 pesos 1 real. Apesar de termos ficado um pouco apreensivos quando vimos muitos homens na frente da lanchonete, correu tudo bem,e saímos tranquilamente de lá.

Devido aos atrasos na fronteira, não pudemos fazer dois passeios que estavam em nosso cronograma, o Templo Budista e o da represa Itaipu. Para mais informações de valores acesse: https://www.itaipu.gov.br/. Quanto ao templo Budista a entrada é gratuita.

Voltamos ao Hotel eram aproximadamente 6 horas da tarde, então fomos comer e no caminho fomos visitar a Mesquita Muçulmana de Foz. Estavam fazendo as orações, devido a isso não pudemos entrar na Mesquita, mas já sentimos a energia do lado de fora. Todos com vestimentas árabes fazendo suas preces e respeitando sua religião.

Depois da visita, seguimos para o hotel e fomos dormir, pois no dia seguinte o trecho seria longo.

Chega então o dia 29/12, saímos cedinho do hotel rumo a fronteira de Puerto Iguazu. A dica é essa, sempre para passar uma fronteira esteja cedo. Lembra das 3 horas perdidas no dia anterior? Se tornaram 20 minutos. Isso mesmo em 20 minutos já havíamos feito a imigração e estávamos na rota 12 rumo a Resistência capita da Província del Chaco.

Atravessamos a província de Misiones na Argentina a qual eu já conhecia de uma outra viagem, e tivemos 2 paradas policiais, acreditem ou não as únicas da viagem toda! Chegando na cidade de Posadas, atrasamos o relógio em uma hora, para irmos nos habituando ao novo fuso horário e paramos para fazer algumas fotos.

A cidade de Posadas faz Fronteira com Encarnación no Paraguai, já havíamos passado essa ponte quando fomos conhecer as Ruínas Guaranis.

Após algumas fotos fomos em busca do tão famoso “asado” argentino, muitos dizem que é o melhor churrasco do mundo. Infelizmente tenho que descordar, realmente carne é maravilhosa, mais ainda prefiro a picanha brasileira. Comemos no “El Rancho” em frente ao monumento del índio.

Confesso que nesses 12 dias de viagem, senti muita falta do bom arroz e feijão brasileiros, coisa que lá fora NÃO existe!! Bom, seguimos viagem então até nossa primeira parada oficial na Argentina, a capital del  Chaco Resistência. Ainda passamos pela província de Corrientes e conhecemos a sua capital.

IMG_6526
Ponte de Fronteira das províncias Del Chaco e Corrientes

Estávamos um pouco apreensivos, devido as fortes chuvas na região que causaram várias inundações, mas graças a Deus correu tudo bem. Chegamos em Resistência cedo, por volta das 17 horas, fomos ao hotel e fizemos o check-in. Nosso hotel foi o Casa Mia, também com ótimo custo benefício no centro da cidade.

DSC_8453
Casa Mia Hotel

Após tomarmos um banho gelado, por que a temperatura por lá beirava os 40 º graus , fomos caminhar pela cidade e comprar algumas “coisinhas”.

Uma das coisas que mais se estranha na Argentina, é o trânsito. É raríssimo ver alguém de moto com capacete, e as vezes é possível ver até 4 pessoas em uma única moto. “Coisa de loco”.

20151229_195303

Retornamos ao Hotel já eram quase 22 horas, fomos dormir cedo porque no dia seguinte teríamos um dos dias mais cansativos da viagem!

By: Izac Chapiewski

Curta nossa page: Iniciativa Aventureiros

La Expedición 27/12/2015

Se aproximávamos do tão esperado dia 28/12 no qual iriamos partir rumo a maior aventura de nossas vidas!!! Tudo pronto, malas prontas, quando recebo uma ligação do Douglas me convidando para sairmos um dia antes, já no dia 27/12. É claro que eu topei na hora! Afinal já estava super ansioso e contando as horas pra que chega-se logo o  dia 28.

10437687_771145456347792_1489604865825636055_n
Malas Prontas

Eram 16 horas em ponto quando todos fizemos uma breve oração para pedir proteção durante a viagem, afinal não é todo dia que se tem uma rota de aproximadamente 5400 km, e seguir até o primeiro destino: Foz do Iguaçu!

10296926_778728252252963_2002604121601747034_n
La Expedición

Resolvemos ir por dentro da Argentina e assim cortar 80 km e fugir dos pedágios da BR 277 no Paraná. Apesar de serem só dois, os valores são respectivamente de R$ 9,80 e R$ 14,90 (R$ 25,00 em dois pedágios só aqui no Brasil mesmo, mas o valor dos pedágios na Argentina comento em outro post). Chegamos na Fronteira de Bernardo de Irigoyen às 20h30m, fizemos toda a papelada de imigração e saímos rumo à Puerto Iguazu. Não “peraí”. Ainda não tínhamos saído sabe porque? A Cidade é pequena e o GPS deu uma “loquiada” legal e não encontrava a rota de acesso para Puerto Iguazu.

DSC_0639
Fronteira de Bernardo de Irigoyen

Para nossa sorte, encontramos um carro da polícia e fizemos sinal. Fui correndo até eles e pedi como chegar até a rota 101. Estavam em quatro no carro, todos sorriram e falaram “Puede seguir nosostros”. UFAA!! Nos deixaram na rota 101, e então seguimos até Puerto Iguazu.

Pegamos muita chuva na estrada, e por volta das 23 horas chegamos em Foz do iguaçu. Fomos ao Itaipu Hotel onde ficaríamos por duas noites e no dia seguinte a programação estava super cheia, mas os detalhes ficam pro próximo post.

By: Izac Chapiewski

Curta nossa page: Iniciativa Aventureiros